art_adams_-_countdown_arena_spread

Um rápido guia para o Multiverso DC

em agosto 17 | em Animação, HQs | por | com 3 Comments

Após o término da minissérie “Ponto de Ignição”, o “Universo DC” foi remodelado novamente. Em mais uma tentativa para atrair mais leitores, a continuidade das revistas foi alterada, mas não é nenhuma novidade. Infelizmente, não foi a primeira e dificilmente será a ultima reestruturação da “DC Comics”.

Mesmo assim o Multiverso é lar de inúmeras histórias no mínimo intrigantes e cada mundo pode ter aparecido apenas em uma única história ou em várias. Por isso preparei um guia rápido para as principais e mais interessantes terras da DC.

Um breve histórico do Multiverso

Capa da edição Brasileira, de Alex Ross

Nos anos 1980, a DC já tinha um grande grupo de personagens e revistas. Alguns eram versões paralelas, enquanto outros foram adquiridos ao comprar outras editoras. Dessa forma, começar a ler era muito complicado para novos leitores. Em um universo o Batman morreu, em outro o Superman era velho;  naquele outro, não havia Liga da Justiça, etc.

Para ajeitar isso, uma história foi criada para mostrar um cataclisma no multiverso, fundindo todas as terras em uma só. A megassaga “Crise nas Infinitas Terras” pegou todas essas terras e bateu em um liquidificador cósmico. No final, somente uma terra/universo continuou vivo para contar a história. Assim, qualquer leitor poderia ingressar nesse mundo resetado. Novas histórias foram feitas para mostrar origens dos personagens mais importantes da casa.

Entretanto, em 2005, a DC resolveu voltar com os universos paralelos na saga “Crise Infinita“, e multiverso foi reconstruído com 52 novas terras. O universo principal se transformaria na pedra fundamental desse novo multiverso, se chamando Nova-Terra.

Em “Ponto de Ignição” ocorre uma reformulação somente do mundo principal. Essa história mostra que, ao voltar no tempo para salvar sua mãe, o Flash altera drasticamente a história do UDC. Quando ele repara o erro, a continuidade também é levemente modificada. Isso serviu para unir a Nova Terra com os universos: Vertigo (Constantine, Monstro do Pântano) e Wildstorm (Authority, Wild C.A.T.S.).

E este é atualmente o status quo do universo DC, que está saindo nos Novos 52, lançado aqui pela Panini Comics.

Inúmeras Terras

Formação da Nova-Terra em Crise Infinita

Para lembrar, o multiverso já foi alterado várias vezes, e algumas terras mudaram de “numeração”.  Poderíamos separar em quatro partes: pré-crise, pós-crise, novos 52 e elseworlds. Lá vai uma descrição das terras mais interessantes da DC.

 

Nova-Terra (ou Terra-0)

 

Principal terra do UDC

 

Principal mundo da DC e antigo lar da Terra-1, a Nova-Terra tem como habitantes os personagens da Era de Prata dos quadrinhos. No período pós-crise foi a única terra que sobrou, somando em sua história personagens de outros universos. Entre eles, a Sociedade da Justiça (Terra-2), Família Marvel (Terra-S) e Combatentes da Liberdade (Terra-X).

Nos Novos 52, a cronologia ficou levemente alterada. Um exemplo é a revista da Liga da Justiça, que mostra o grupo ainda se formando, entretanto algumas revistas, como as do Batman e do Lanterna Verde parecem ignorar essas alterações.

Porém, desde o lançamento dos novos 52, aparece uma figura encapuzada em várias revistas. Ao que tudo indica, ela tem relação com as modificações feitas em Ponto de Ignição. Se tratando da DC, muito provavelmente é o lacre de emergência para outra reformulação…

 

Terra-2

Membros da JSA, originária da Terra-2

Lar dos heróis da Era de Ouro, tais como o Flash original (Jay Garrick), o primeiro Lanterna Verde (Alan Scott) e os Superman e Batman originais dos anos 30. A Terra-2 sempre foi o universo mais importante e recorrente, junto com a Nova Terra. Tanto que o marco para o início do multiverso foi a história “Flash of Two Worlds“. Nela há o primeiro encontro de dois personagens de mundos diferentes. Os Flashses Jay Garrick e Barry Allen.

A Terra-2 é o lar da Sociedade da Justiça, que fora integrada a Nova-Terra pós-crise. Atualmente, aproveitando os Novos 52, a DC resolveu “modernizar” este universo dando novas roupagens aos personagens, retirando aquele ar de anos 30/40 que possuíam. A mudança mais controversa e que até quem não acompanha HQs está sabendo: a “revelação” de que o Lanterna Verde original, Alan Scott, é homossexual.

Terra-3

Cui bono?

Terra-3 é mais conhecida por ser um universo avesso à Nova Terra: os heróis são vilões e vice versa. A contraparte da Liga da Justiça é o Sindicato do Crime da América, que usa de seu poder para controlar o planeta.

Uma das histórias mais icônicas desse universo é o especial Terra-2, de Grant Morrison e Frank Quietly, onde tudo era reverso e de anti-matéria. Morrison a retratava a Terra-3 de um modo em que histórias “normais” o bem sempre vence e nesse universo é quem faz mal que leva a melhor.

Esse especial recentemente chegou até a ser adaptado em um bom longa animado, Liga  da Justiça: Crise em Duas Terras.

Universos Animados

Revista de Batman e Liga da Justiça do Futuro

 

As várias séries animadas da DC também pertencem ao seu multiverso e ganham suas próprias revistas, além de constar, e até aparecer, em outros mundos. O universo Animated que foi criado por Bruce Timm em animações clássicas, como Batman“, “Superman“, “Liga da Justiça” e “Batman do Futuro“, corresponde a Terra-12.

Exibido atualmente no SBT, o universo do desenho da “Justiça Jovem” foi considerado a Terra-16 e mostra a vida dos parceiros mirins da Liga da Justiça que realizam operações secretas. Já o universo de “Batman: Os Bravos e os Ousados” era a Terra-23, que atualmente pertence a outro mundo, onde o Superman é baseado em Barack Obama, e também possui suas próprias terras paralelas, surgidas no decorrer dos episódios.

 

Outros Mundos

Venha a nós o vosso Reino… do Amanhã

O selo Elseworlds foi criado pós-crise para determinar histórias que não pertenciam a nenhuma cronologia, desta forma, dando mais liberdade para inventar o que quiserem, gerando inúmeros clássicos. Foi assim que surgiu “O Reino do Amanhã”, de Mark Waid e Alex Ross, que mostra o futuro do Universo DC e agora pertence a Terra-96 ou 22. Alguns de seus personagens interagiram com a Sociedade da Justiça da Nova-Terra após a Crise Infinita.

Superman: Red Son

Outra elseworld é “Superman: Entre a Foice e o Martelo“, escrita por Mark Millar. Nesta HQ, o foguete trazendo Superman cai na União Soviética dos anos 30, ao invés de parar em Smallville. Deste modo, o último filho de Krypton é criado seguindo a bandeira do Comunismo. Ele se torna a arma secreta do próprio Josef Stálin, e o único que pode detê-lo é o gênio Lex Luthor. O universo em que esta história acontece, é a Terra-30.

A Sombra através do Relâmpago

Talvez a melhor e mais famosa história do Batman, “O Cavaleiro das Trevas” ocorre na Terra-31. Elaborada por Frank Miller, a série mostra um Bruce Wayne envelhecido, após anos aposentado, retomando o manto de Batman. Junto com “Watchmen”, é uma das obras mais influentes dos quadrinhos e, atualmente, está ganhando uma versão animada. Enfim, é tão conhecida e importante que qualquer fã já sabe tudo isso que falei!

Algumas outras minisséries e seus respectivos mundos consistem em: DC: Nova Fronteira (Terra-21), Universo Tangente (Terra-97), Superman: Kal (Terra-395), Batman e Drácula: Chuva Rubra (Terra-1191), Superman e Batman: Gerações (Terra-3898), Batman: Gotham 1889 (Terra-1889) entre inúmeras outras.

 

Charlton, Quality e família Marvel

 

Capitão Marvel, SHAZAM, Fraldinha…

 

Dentre os universos adquiridos pela DC antes da Crise alguns já eram mundos fechados. Suas editoras foram compradas e seus personagens assimilados. Dentre eles os mais importantes são os da “Charlton”, “Quality” e a “Fawcett“.

A Terra-S é o antigo lar do Capitão Marvel, da Fawcett Comics e demais personagens (Mary Marvel, Capitão Marvel Jr, Tio e Tenentes Marvel etc). Criado por C. C. Beck, mostrava as aventuras de Billy Batson, um órfão que, ao encontrar o mago SHAZAM, ganhou poderes. Gritando o nome do mago, ele se transformava em um herói da justiça. Por muito tempo essa série ameaçou até mesmo a popularidade do Superman, deixando a DC aflita. Como o protagonista era uma criança, havia mais sintonia entre os leitores e o personagem. Afinal era muito mais fácil pensar que se poderia encontrar um mago e virar o Capitão Marvel, do que ser um alien adotado superpoderoso. Após serem processados por plágio, em alguns anos a Fawcett vendeu seus personagens para a DC.

Personagens do Universo Charlton

A Charlton era a casa de personagens como Besouro Azul, Capitão Átomo e Questão, que ficaram mais importantes após a “Crise nas Infinitas Terras”. Durante a saga, o grupo da Terra-4 se uniu contra o Antimonitor. Talvez estes personagens sejam mais conhecidos por inspirarem os protagonistas da minissérie “Watchmen”. Originalmente, os próprios heróis da Charlton que figurariam na série, mas a DC resolveu usa-los na crise e pediu para Alan Moore usar personagens semelhantes. Para nossa felicidade, “Watchmen” ainda não entrou na roda dos universos paralelos.

Tio Sam e os Combatentes da Liberdade da Terra-X (não confundir com esta Terra-X…)

A Quality foi uma grande editora durante a era de ouro dos super-heróis. A DC conseguiu direito de seus personagens que, entre eles, constam Kid Eternidade, Homem-Elástico e os aviadores Falcões Negros. Com estes heróis era formada a Terra-Q. Além disso, ao adquirir a Quality, a DC conseguiu os direitos de vários personagens de Will Eisner, inclusive o Espírito! Já Terra-X é um mundo paralelo estrelado pelo Tio Sam e os Combatentes da Liberdade. Nela a Segunda Guerra Mundial não acabou nos anos 40 e se arrasta até os dias de hoje.

 

Mundos sem Terra

 

Órion contra seu pai, Darkside, do Quarto Mundo

 

Alguns universos ficaram fora de classificação por não serem exatamente terras. Nesse caso podemos colocar o Limbo, um lugar onde personagens esquecidos e deixados de lado são colocados. Foi criado por Grant Morrison em seu run no Homem-Animal. Posteriormente foi usado durante Crise Final como fronteira entre os universos e o mundo dos Monitores.

Já o Quarto Mundo é o universo de Apokolips e Nova-Gênese, criações de Jack Kirby em Novos Deuses. Os planetas de Órion e Darkside e compania não estão diretamente ligados a qualquer terra. De fato é explicado que seus mundos existem em uma galáxia separada da realidade, sendo só acessíveis por Tubos de Explosões.

Outro mundo a parte é o universo de antimatéria, lar de alguns inimigos da Tropa dos Lanternas Verdes, os Qwardianos. Durante a Crise nas Infinitas Terras foi revelado que este universo nasceu em conjunto com o Antimonitor. Só há um mundo de matéria negativa, enquanto todo o resto do multiverso é constituído de matéria postiva. Lembrando que a história Terra-2 do Grant Morrison usa um universo de anti-matéria diferente.

 

Terra… Marvel?

 

Primeiro encontro Marvel/DC

Desde o encontro do Homem Aranha com o Superman, em 1976, a “Marvel” e sua Distinta Concorrente lançam edições com seus heróis interagindo. Assim foi criada uma terra apenas para estes encontros, a Terra-7642. Em algumas histórias os personagens simplesmente parecem existir desde sempre no mesmo mundo. Em outras, por alguma razão, os dois universos se encontram e os personagens passam a dividir o mesmo. Como na série “Marvel vs DC”, em que fora formada uma verdadeira arena entre os heróis. Contudo o mais recente cross-over das editoras, “JLA/Vingadores” não consta desta terra, mas sim com seus universos originais.

Waynerine

Já a Terra-9602 representa o universo “Amálgama“, criado durante os eventos de “Marvel vs DC”. Nesse mundo, os heróis de ambas as editoras foram fundidos, à lá “Dragon Ball Z”, criando revistas especiais. Então temos histórias do Garra das Trevas (Wolverine com Batman), Spider-Boy (Homem aranha com Super-Boy), Super-Soldado (Superman com Capitão América), Lanterna de Ferro (Homem-de-Ferro com Lanterna Verde) entre outros.

Ainda existe muitas Terras que existem dentro do Universo DC, mas citar todas deixaria a lista quilométrica. A ultima menção é a Terra-Prime, que é um mundo igual ao nosso, sem super-heróis, com exceção de um Superboy. Vale lembrar que há uma teoria na física que diz que de fato podem existir inúmeras terras e universos paralelos. Cada uma teria suas próprias leis e regras naturais, sendo possível que exista um número infinito das mesmas. Sendo assim, é de se pensar se em alguma freqüência vibracional, todos os feitos que lemos, realmente podem acontecer…

Pin It

Posts Relacionados

  • Júnior Lima

    Conheço pouco do Universo DC, afinal só comecei a ler mesmo a partir dos Novos 52 e por isso adorei o seu texto, deu pra explicar bastante! :D

  • allan

    Cara muito bom o post , eu começei  a acompanhar o universo DC recentemente , estou comprando as hq’s da contagem regresiva para crise infinita m mas estou meio confuso você saberia me explicar como funciona a cronologia da saga (pq tem uma miniserie de seis , uma de sete e mais os normais) se voce poder me dar uma luz eu agradeceria

    • http://www.facebook.com/AntonioTadeuFS Antonio Tadeu Ferreira Sobrinh

      Então essa minissérie é o seguinte. Tem primeiro uma edição que mostra o Besouro Azul descobrindo vários rolos do Checkmate, que estavam roubando fundos dele pra financiar suas operações. Depois tem 4 minisséries em 6 partes que tem ligação com a Crise Infinita. OMAC, que é o Computador Irmão-Olho criado pelo Batman que controla o Chequemate, Sexteto Sinistro que mostra uma sociedade de vilões se formando. Pacto das Sombras, em que o Espectro enlouquecido e sem hospedeiro destruindo a magia e também a Guerra entre Rann-Thanagar.

      Depois disso tudo acontece a Crise Infinita, e cada uma dessas miinisséries tem relação com ela, pois ajudam o multiverso a ser reconstruido.

« »

Contraudição

Scroll to top